sexta-feira, 20 de julho de 2018

VIDA FINANCEIRA ABENÇOADA (3ª Parte)



Hoje é a ultima ministração da série Vida Financeira abençoada. Durante este mês temos aprendido que o dinheiro é também um assunto tão espiritual quanto à oração; não há como separarmos estes dois assuntos em “natural” e “espiritual”.

O uso dele reflete a condição espiritual do nosso coração e da nossa igreja. Por isso Jesus disse em Mateus 6.24: "Ninguém pode servir a dois senhores; pois odiará um e amará o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Vocês não podem servir a Deus e ao Dinheiro."

A palavra Dinheiro aqui, no original é Mamom, que era o Deus das riquezas nos tempos de Cristo. Isto deixa bem claro que existe uma entidade espiritual que oprime e controla a vida de muitas pessoas.

Se pensarmos bem, o dinheiro simplesmente é um pedaço de papel, e as riquezas materiais são passageiras e temporais. Porque, então, existe uma obsessão, um impulso, uma tentação para obtenção de dinheiro e riquezas?

É exatamente porque há um poder maligno que distorce a verdade.

Claro que vivemos em um mundo onde o dinheiro é necessário, o que não podemos aceitar é que o Deus Mamom, controle nossas vidas por causa do dinheiro. O que está em jogo é o senhorio. Se Deus é o Senhor devemos servi-lo, mas se o Dinheiro tem sido o senhor, estamos em escravidão espiritual.

Provavelmente não existe nada melhor para se reconhecer o que domina uma vida do que a maneira de como a pessoa lida com o dinheiro.  Por isso, precisamos aprender os princípios que a Palavra de Deus nos ensina sobre finanças.

Na semana passada aprendemos que devemos praticar os princípios da INTEGRIDADE, FIDELIDADE E SENSATEZ.

Por integridade aprendemos que devemos fugir de negócios desonestos e que ferem os valores do evangelho do Reino de Deus! Devemos buscar a retidão financeira em todos os seus aspectos.

Por fidelidade aprendemos que Devemos honrar a Deus com aquilo que produzimos, com integridade, alegria e gratidão através dos dízimos e das ofertas. “Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus” (Mc 12.17)

 “Segurei muitas coisas com as mãos e perdi todas elas. Mas ainda possuo tudo que depositei nas mãos de Deus!”. Martim Lutero

Por sensatez aprendemos que não precisamos de muito dinheiro para ser feliz! A sensatez nos ensina que o equilíbrio financeiro é fundamental, pois livra o nosso coração da soberba, da ganância e da avareza.

“Afasta de mim a falsidade e a mentira; não me dês nem a pobreza nem a riqueza; dá-me o pão que me for necessário; para não suceder que, estando eu farto, te negue e diga: Quem é o SENHOR? Ou que, empobrecido, venha a furtar e profane o nome de Deus”. Pv.30:8-9

Hoje vamos falar de mais três princípios

8 – C O N T E N T A M E N T O
A palavra grega traduzida por “contente” significa “estar satisfeito”, “ter o bastante”. Contentamento é ser feliz com o que Deus te dá.

 “Uns se dizem ricos sem terem nada; outros se dizem pobres, sendo mui ricos”. Pv. 13.7

 “De fato, grande fonte de lucro é a piedade com o contentamento. Porque nada temos trazido para o mundo, nem coisa alguma podemos levar dele. Tendo sustento e com que nos vestir, estejamos contentes”. 1 Tm. 6.6-8

 “Digo isto, não por causa da pobreza, porque aprendi a viver contente em toda e qualquer situação. Tanto sei estar humilhado como também ser honrado; de tudo e em todas as circunstâncias, já tenho experiência, tanto de fartura como de fome; assim de abundância como de escassez; tudo posso naquele que me fortalece”. Fp. 4.11-12

“Deus nos coloca neste mundo, mas não planta nossas raízes aqui. Os castelos que os homens constroem serão levados pela maré. Ele plantou nossas raízes nos céus e lá teremos um lugar preparado para eternidade. Estamos aqui para cumprir propósito, mas não devemos nos apegar em demasia nas coisas deste mundo”. Max Lucado

9 – G E N E R O S I D A D E
A generosidade é a ausência da ganância, do egoísmo. É o remédio que este mundo precisa. A generosidade é a vitória que a vida precisa.

Uma das grandes marcas do cristianismo, se não a mais importante de todas, é a generosidade. Porque generosidade tem haver com o maior de todos os dons, o AMOR. Aprenda a repartir as bênçãos.

 “A quem dá liberalmente, ainda se lhe acrescenta mais e mais; ao que retém mais do que é justo, ser-lhe-á em pura perda. A alma generosa prosperará, e quem dá a beber será dessedentado. Ao que retém o trigo, o povo o amaldiçoa, mas bênção haverá sobre a cabeça do seu vendedor”.
Pv.11.24-26

João Wesley disse – “Ganhe o máximo que puder, economize o máximo que puder , dê o máximo que puder”

 “Tenho-vos mostrado em tudo que, trabalhando assim, é mister socorrer os necessitados e recordar as palavras do próprio Senhor Jesus: Mais bem-aventurado é dar que receber”. Atos 20:35 

 “O que dá ao pobre não terá necessidade (ou falta), mas o que esconde os olhos terá muitas maldições”. Prov. 28:27

10- FÉ
Quando praticamos estes princípios ensinados por Deus em sua Palavra estamos colocando a nossa fé em ação, crendo que é Deus quem supre todas as nossas necessidades.

“E o meu Deus, segundo a sua riqueza em glória, há de suprir, em Cristo Jesus, cada uma de vossas necessidades”. Filipenses 4:19 

 “Ora, a fé é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não veem.”  Hebreus 11:1

 “Mas aquele que tem dúvidas é condenado se comer, porque o que faz não provém de fé; e tudo o que não provém de fé é pecado.” Romanos 14:23

‘Tudo, absolutamente tudo, o que não provém da fé é pecado!

Não adianta praticar todos os princípios aqui ensinados se você não tiver fé. Não acreditar!

Hebreus 11:6 “Ora, sem fé é impossível agradar a Deus; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que se torna galardoador dos que o buscam”.



CONCLUSÃO:

Se o Senhor permitir que você tenha a riqueza espiritual e ainda a riqueza material, amém. Mas se você tiver que escolher entre uma e outra, não vacile. Prefira ser rico para com Deus, pois esta é a única e verdadeira riqueza!

Salmos 62:10 “Não confieis na opressão, nem vos glorieis na rapina; se as vossas riquezas aumentam, não ponhais nelas o coração”.

Jeremias 9:23-24 “Assim diz o SENHOR: Não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem se glorie o forte na sua força; não se glorie o rico nas suas riquezas. Mas o que se gloriar glorie-se nisto: em me conhecer e saber que eu sou o SENHOR, que faço misericórdia, juízo e justiça na terra; porque destas coisas me agrado, diz o SENHOR.”



Pr. Gilberto Oliveira Rehder
Igreja Metodista Catalão-GO


sábado, 14 de julho de 2018

VIDA FINANCEIRA ABENÇOADA (2ª Parte)



Na ministração anterior aprendemos sobre os três primeiros princípios para uma vida financeira abençoada por Deus. São eles: 1- TRABALHO 2- DILIGÊNCIA 3- PLANEJAMENTO. É bom lembrar que todos eles estão baseados na Palavra de Deus. Hoje veremos mais quatro destes princípios:

4 - P R U D Ê N C I A
A palavra prudência significa cautela, moderação, precaução e bom senso com sabedoria.

Não seja ingênuo. Não confie cegamente nas pessoas. Pv. 14.15 diz: “O simples dá crédito a toda palavra, mas o prudente atenta para os seus passos”.

Veja o alerta de Jesus!

MT. 10.16  “Eis que eu vos envio como ovelhas para o meio de lobos; sede, portanto, prudentes como as serpentes e símplices como as pombas.”.

Simplicidade: Forma simples de viver, sem malicia, sem arrogância,sem ostentação, sem prepotência.

CURIOSIDADE:

As serpentes não tem orelha externa, ela só consegue detectar o barulho pela a vibração. As serpentes não sentem o cheiro propriamente pela narina. Todo o sistema de captação de partículas dispersas no ar, que constituem o odor, é realizado pela língua. Isso faz com quer ela conheça o ambiente mesmo no escuro. Ela não enxerga como os homens, pois tem um sistema de infravermelho no globo ocular que a leva captar a imagem através do calor do corpo.

Vamos agora para prudência desse animal

1- Por prudência a serpente vive em alerta discernindo bem o perigo ainda distante e em qualquer circunstância da natureza, pois seus sentidos faz com que tenha discernimento e logo ela se retira.

2- Por prudência a serpente não anda em exibição, mas anda bem escondida. Essa prudência a faz ter êxito nas investidas tanto no combate quanto na hora de se alimentar.

3- Por prudência a serpente faz a sua morada no fundo das cavernas rochosas ou nas grandes rachaduras das penhas, lugar de difícil acesso e quase impenetrável. Essa prudência propicia a serpente estabilidade, e uma boa segurança contra os eventuais fenômenos da natureza e ataque de inimigos.

Mat 7.24 a 27. A Bíblia ensina que o homem prudente edifica sua casa na rocha.

Pv. 6.1-5: “Filho meu, se ficaste por fiador do teu companheiro e se te empenhaste ao estranho, estás enredado com o que dizem os teus lábios, estás preso com as palavras da tua boca. Agora, pois, faze isto, filho meu, e livra-te, pois caíste nas mãos do teu companheiro: vai, prostra-te e importuna o teu companheiro; não dês sono aos teus olhos, nem repouso às tuas pálpebras; livra-te, como a gazela, da mão do caçador e, como a ave, da mão do passarinheiro”.


5- I N T E G R I D A D E
Faça somente aquilo que é certo e justo, independentemente das circunstâncias e Deus irá te abençoar.

"INTEGRIDADE" vem do latim "INTEGRITATE", na raiz significa "INTEIRO" que não se fragmenta.

O Cristão íntegro não fragmenta a sua vida em espiritual e material. Em toda a sua vivência seja como estudante, na vida profissional ou no contexto de sua família a sua postura é sempre a mesma! 

Dt. 16.19-20: “Não torcerás a justiça, não farás acepção de pessoas, nem tomarás suborno; porquanto o suborno cega os olhos dos sábios e subverte a causa dos justos. A justiça seguirás, somente a justiça, para que vivas e possuas em herança a terra que te dá o SENHOR, teu Deus”.

Sl. 101.3, 7: “Não porei coisa injusta diante dos meus olhos”. “Não há de ficar em minha casa o que usa de fraude”.

Não deixe que nada nesse mundo atrapalhe sua comunhão com o SENHOR, nem a riqueza, nem a pobreza, nem o mundo, nem os prazeres que nele há.

Fuja de negócios desonestos e que ferem os valores do evangelho do Reino de Deus!

O que determina para JESUS não é o que você tem, mas sim quem você é!


6 – F I D E L I D A D E
Fidelidade é a qualidade de quem é fiel. Termo no latim “fidelis”, aquele que tem compromisso com aquilo que assume. Acima de tudo o Senhor quer de cada um de nós fidelidade EM TUDO.  

“Ora, além disso, o que se requer dos despenseiros é que cada um deles seja encontrado fiel” (1Co 4.2).

Despenseiro- Aquele que cuida da despensa, administrador do celeiro, distribuidor de algo que está sob sua guarda.

“Quem é fiel no pouco também é fiel no muito; e quem é injusto no pouco também é injusto no muito”. Lucas 16.10.

Deus quer a nossa fidelidade no pouco.

“E o seu senhor lhe disse: Bem está, servo bom e fiel. Sobre o pouco foste fiel, sobre muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor”. Mateus 25:21

Deus quer a nossa fidelidade na entrega dos dízimos e ofertas.

“Trazei todos os dízimos à casa do Tesouro, para que haja mantimento na minha casa; e provai-me nisto, diz o SENHOR dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu e não derramar sobre vós bênção sem medida. Por vossa causa, repreenderei o devorador, para que não vos consuma o fruto da terra; a vossa vide no campo não será estéril, diz o SENHOR dos Exércitos. Todas as nações vos chamarão felizes, porque vós sereis uma terra deleitosa, diz o SENHOR dos Exércitos”. Malaquias. 3.10-11

“Dizimar e ofertar regulamente e com alegria, é sempre uma forma de estarmos lembrados de que somos mordomos, administradores dos dons e bens que Deus a nós tem confiado. Devolver apenas 10% de tudo que Deus nos dá, para que haja sustento na Sua casa, é muito pouco. Sabendo também que 90% com benção de Deus, é muito mais do que 100% sem as bênçãos de Deus”.

A forma como empregamos nosso dinheiro também demonstra a realidade de nosso amor por Deus. Devemos honrar a Deus com aquilo que produzimos, com integridade – “Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus” (Mc 12.17) e com alegria e gratidão.

“Honra ao Senhor com os teus bens e com as primícias da tua renda; e se encherão fartamente os teus celeiros, e transbordarão de vinho os teus lagares”. Prov. 3.9


7– S E N S A T E Z
Sensatez é a qualidade de ser sensato; bom senso, equilíbrio.

“Ter o bom senso como um guia de conduta é considerado um dos pilares da sabedoria e é sinal de maturidade, ou seja, de que foi capaz de aprender com seus percalços”.

Muitos já enriqueceram à custa de perderem outros valores interiores, inclusive sua própria fé. Este não é o desejo de Deus para nós. Por isso devemos prosperar em nossa alma. Uma alma próspera é aquela que não se prende à ganância e avareza. É despojada do egoísmo e do orgulho. Se uma pessoa está prosperando materialmente mas seu coração se prende ao dinheiro, é porque sua alma não vai bem. É este entendimento que percebemos na oração de Agur em Provérbios 30:8-9

A oração de um homem sensato:

 “Afasta de mim a falsidade e a mentira; não me dês nem a pobreza nem a riqueza; dá-me o pão que me for necessário; para não suceder que, estando eu farto, te negue e diga: Quem é o SENHOR? Ou que, empobrecido, venha a furtar e profane o nome de Deus”. Pv.30:8-9

 “Ora, os que querem ficar ricos caem em tentação, e cilada, e em muitas concupiscências insensatas e perniciosas, as quais afogam os homens na ruína e perdição. Porque o amor do dinheiro é raiz de todos os males; e alguns, nessa cobiça, se desviaram da fé e a si mesmos se atormentaram com muitas dores”. 1 Tm. 6.9-10

“A sanguessuga tem duas filhas, a saber: Dá, Dá. Estas três coisas nunca se fartam; e quatro nunca dizem: Basta.” (Pv 30.15)

Neste texto Agur, observa de uma forma poética que a insaciabilidade nunca está completa. Alertando-nos a vivermos de forma equilibrada, não ser dominando por ela, pois nunca diz “basta”, convidando-nos a vigiar, para que não sejamos dominados pelo consumismo.

Pr. Gilberto Oliveira Rehder
Igreja Metodista Catalão-GO

sexta-feira, 13 de julho de 2018

VIDA FINANCEIRA ABENÇOADA ( 1ª Parte)



TEXTO: Provérbios 10.22: “A bênção do Senhor enriquece, e, com ela, ele não traz desgosto”. 

INTRODUÇÃO:

O texto que acabamos de ler fala de maneira bem clara que a Bênção do Senhor enriquece! Embora a prosperidade material seja a ênfase do Antigo Testamento como consequência da obediência a Deus, creio que riqueza do ponto de vista do Novo Testamento significa acima de tudo ser salvo e transformado em Cristo Jesus!

Quando o homem aceita Jesus, como seu Salvador e Senhor, e, permanece Nele, recebe como herança, todas as riquezas do reino de Deus.

“Assim como meu Pai me confiou um reino, eu vo-lo confio..” Lucas 22:29

Nenhum tesouro desse mundo, seja: dinheiro, fama, prestígio ou sabedoria humana, pode ser comparado à grandeza do reino dos céus do qual somos participantes.  

Enriquecer materialmente não é errado, desde que o coração não se prenda a isso (Salmos 62.10). Contudo, deve haver em nós um anseio de enriquecermos espiritualmente, em Deus. E o anseio por tal riqueza espiritual deve ser maior do que o anseio pelas riquezas terrenas.

A verdadeira riqueza é “ser rico para Deus”.

O dinheiro faz parte da nossa vida. É algo bom e necessário, mas não pode ser o centro da nossa vida: “O dinheiro é um ótimo servo, porém um péssimo patrão”.

Colocar a vida financeira à frente de tudo gera muitas dores. Se, em sua busca por prosperidade financeira, você perder o seu temor por Deus e encher-se de ansiedade e inquietação, estará fazendo um péssimo negócio.
Essa riqueza estará roubando sua vida com Deus e a paz do seu coração.

“É melhor ter pouco com o temor do SENHOR do que grande riqueza com inquietação”. (Provérbios 15.16)

Porém, o dinheiro nas mãos de quem teme a Deus, será uma grande bênção.  

Por isso há promessas claras para quem anda na vontade de Deus e isso envolve sim, também a vida financeira. O Salmo 1.3 diz do homem que teme ao Senhor e anda nos seus caminhos: “e tudo o que ele faz será bem sucedido”.

Mas, é importante esclarecer algumas questões sobre as bênçãos financeiras:

1º) Bênção financeira e sucesso financeiro são coisas completamente diferentes.

- Sucesso financeiro, qualquer um pode ter, mas a bênção financeira é aquilo que vem da mão de Deus na medida certa para cada filho(a) de Deus.

Pode ser muito ou pode ser menos, por que eu entendo que quando Deus abençoa nossas finanças, Ele pensa numa medida que não venha nos tirar os olhos da herança eterna.

A igreja de Lodicéia era uma igreja rica, abastada, seus membros não tinham falta de nada, porém Jesus disse que eles espiritualmente eram: infelizes, sim, miseráveis, pobres, cegos e nus.  (Apoc.3:17)

2º) A medida com a qual Deus abençoa financeiramente também depende do plano que Ele tem para cada um.

Às vezes Deus abençoa grandemente alguém, porque Ele sabe que essa pessoa irá abençoar outros e investir liberalmente no Reino. Nem todos conseguem servir a Deus na riqueza! Na prosperidade, se tornam presunçosos, altivos, indiferentes, avarentos se esquecem de Deus. Por isso creio que a riqueza material não é para todos os que são filhos de Deus!

3º) Precisamos compreender também que bênção financeira não pode ser vista como algo produzido de forma mágica, como algumas correntes da teologia da prosperidade estão pregando.

Há muitas coisas envolvidas nesse assunto. Deus estabeleceu na Sua Palavra vários princípios para uma vida financeira saudável.

Se seguirmos esses princípios com certeza Deus nos fará prosperar na medida certa que Ele tem para cada um de nós.

Então queremos destacar DEZ PRINCÍPIOS que certamente nos ajudarão a sermos bem sucedidos e abençoados. Hoje veremos os três primeiros princípios! 

1 – T R A B A L H O
O trabalho é ordem e bênção, e é o modo correto pelo qual devemos obter nosso sustento.

Gn. 2.15: “Tomou, pois, o SENHOR Deus ao homem e o colocou no jardim do Éden para o cultivar e o guardar”.

Jo. 5.17: “Mas ele lhes disse: Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também”.

A Bíblia é bem clara em mostrar que Deus não abençoa ao ocioso, ao preguiçoso, àquele que não tem disposição e ânimo para trabalhar.

“O que trabalha com mão remissa empobrece, mas a mão dos diligentes vem a enriquecer-se”. (Provérbios 10:4)

 “As mãos preguiçosas empobrecem o homem, porém as mãos diligentes lhe trazem riqueza” (Provérbios 10.4)

2 Tes. 3.10: “Porque, quando ainda convosco, vos ordenamos isto: se alguém não quer trabalhar, também não coma”.

(Um testemunho contado pelo Pr. Luciano Subirá)

Rosméri, uma querida irmã de Guarapuava, Paraná, contou-me que, quando se converteu, ela começou a orar fervorosamente para que o Senhor fizesse com que ela ganhasse na Loteria. Mesmo sem ter conseguido nada a princípio, ela foi insistindo, não só no jogo, mas nas orações “para poder ganhar”. Numa certa ocasião, estando já desanimada e cansada de tanto orar, porém sem ver nada acontecer, ela desabafou com Deus, dizendo que Ele não ouvia as suas orações. Então, ela teve uma visão que a marcou muito.

 Ela se viu diante de uma grande cachoeira, bem linda. Também viu o Senhor Jesus na parte de baixo, onde as águas caíam; então ela viu que Ele começou a escalar as pedras daquela cachoeira. Quando Ele chegou lá em cima, ela, sem entender, perguntou: “Jesus, por que o Senhor escalou as pedras? Num piscar de olhos o Senhor poderia estar aí em cima! O Senhor é Deus! Por que subir?” Aí então, Ele olhou para ela, de uma forma muito amorosa e paciente, e respondeu-lhe: “Subir com o seu próprio esforço é mais gratificante. Experimente!”

2 – D I L I G Ê N C I A
Diligência significa ter cuidado, atenção ou dedicação para realizar uma tarefa. Os antônimos da Diligência é são: desleixo, desatenção e negligência.

Colossenses 3:22-24
22 Servos, obedecei em tudo ao vosso senhor segundo a carne, não servindo apenas sob vigilância, visando tão-somente agradar homens, mas em singeleza de coração, temendo ao Senhor.
23 Tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como para o Senhor e não para homens,
24 cientes de que recebereis do Senhor a recompensa da herança. A Cristo, o Senhor, é que estais servindo;

Pv. 22.29: “Vês a um homem perito na sua obra? Perante reis será posto; não entre a plebe.

Pv. 13.4: “O preguiçoso deseja e nada tem, mas a alma dos diligentes se farta”.

Pv. 18.9: “Quem é negligente na sua obra já é irmão do desperdiçador”.

Pv. 21.5: “Os planos do diligente tendem à abundância, mas a pressa excessiva, à pobreza”.


3– P L A N E J A M E N T O.
Organize com cuidado a vida, de maneira a aproveitar ao máximo os recursos que tens.

Pv. 21.5: “Os planos do diligente tendem à abundância, mas a pressa excessiva, à pobreza”.

Em Provérbios 6:6-8 está escrito: "Observe a formiga, preguiçoso, reflita nos caminhos dela e seja sábio! Ela não tem nem chefe, nem supervisor, nem governante, e ainda assim armazena as suas provisões no verão e na época da colheita ajunta o seu alimento."

E existe uma frase que diz: "A melhor hora para economizar é quando você tem dinheiro no bolso."

Os sonhos de Faraó que José interpretou: De acordo com o sonho que Deus deu a Faraó, haveria sete anos de fartura no Egito, seguidos por sete anos de fome. José orientou os egípcios a poupar.

1- José guardou um quinto, ou seja, 20% da produção do sete anos de fartura.

2- Os 20% foram suficientes para alimentar os egípcios nos sete anos de escassez.

Duas coisas são importantes incluir em nosso planejamento financeiro:

1- Previdência- Previdência é o ato de prever, com o objetivo de evitar previamente determinadas situações ou transtornos que sejam indesejados para o indivíduo.

2- Economizar- Tem muita gente que acha que o cristão não deve economizar, pois, ao fazer isso, demonstra que não está confiando em Deus para suprir suas necessidades no futuro.

No entanto, não é isso que vemos na Bíblia, pois ela mostra que devemos ser bons administradores do nosso dinheiro.

O bom administrador enxerga o futuro de um modo realista. Ele sabe que tudo pode mudar lá na frente, para pior ou para melhor.

Por isso, é sábio planejar o futuro com a intenção de suprir as necessidades da família, do próprio negócio ou outras coisas. Existem muitas razões porque devemos economizar, e uma delas é explicada por Jesus em Lucas 14:28-30.

"Qual de vocês, se quiser construir uma torre, primeiro não se assenta e calcula o preço, para ver se tem dinheiro suficiente para completá-la? Pois, se lançar o alicerce e não for capaz de terminá-la, todos os que a virem rirão dele, dizendo: ‘Este homem começou a construir e não foi capaz de terminar’" (Lucas 14:28-30).

O Bom administrador não desperdiça e nem gasta inutilmente os seus recursos.

Após o milagre da multiplicação Jesus mandou que se recolhessem as sobras para que nada fosse desperdiçado, imagine se José não economizasse no tempo das vacas gordas, seus irmãos pereceriam e os judeus deixando de existir, como Jesus viria ao mundo??? Viu como é bom  economizar!!!


Pr. Gilberto Oliveira Rehder
Igreja Metodista Catalão-GO


segunda-feira, 9 de julho de 2018

PRESERVANDO A FÉ EM TEMPOS DIFÍCEIS



Texto: Miquéias 7:1-9
1 Ai de mim! Porque estou como quando são colhidas as frutas do verão, como os rabiscos da vindima: não há cacho de uvas para chupar, nem figos temporãos que a minha alma deseja.
2 Pereceu da terra o piedoso, e não há entre os homens um que seja reto; todos espreitam para derramarem sangue; cada um caça a seu irmão com rede.
3 As suas mãos estão sobre o mal e o fazem diligentemente; o príncipe exige condenação, o juiz aceita suborno, o grande fala dos maus desejos de sua alma, e, assim, todos eles juntamente urdem a trama.
4 O melhor deles é como um espinheiro; o mais reto é pior do que uma sebe de espinhos. É chegado o dia anunciado por tuas sentinelas, o dia do teu castigo; aí está a confusão deles.
5 Não creiais no amigo, nem confieis no companheiro. Guarda a porta de tua boca àquela que reclina sobre o teu peito.
6 Porque o filho despreza o pai, a filha se levanta contra a mãe, a nora, contra a sogra; os inimigos do homem são os da sua própria casa.
7 Eu, porém, olharei para o SENHOR e esperarei no Deus da minha salvação; o meu Deus me ouvirá.

Introdução: Não é novidade sabermos que estamos vivendo tempos difíceis onde a nossa fé a cada dia que passa tem sido confrontada por pessoas que não tem nenhum temor a Deus e que não estão nem aí com os valores do Reino de Deus. Preservar a fé em um ambiente assim, se torna um grande desafio para os filhos de Deus!

O texto que acabamos de ler, nos fala de um Profeta que enfrentou problemas semelhantes ao que enfrentamos hoje.

Seu nome Miquéias significa: "QUEM É SEMELHANTE A JAVÉ?"

Antes de comentarmos este texto é importante sabermos que o Profeta Miquéias profetizou durante cerca de 40 anos, por ocasião dos reinados de Jotão (739-731 a. c.), Acaz (731-715 a. c.) e Ezequias (715-686 a. c.).

Foi contemporâneo de Amós, Oséias e Isaías.

Era um homem do campo e de origem muito simples, sendo que nem o nome de seu pai é mencionado.

O profeta Miquéias descreve uma época de grande corrupção em todos os níveis da sociedade. Os que estavam no poder eram corruptos e estavam comprometidos apenas em levar vantagens pessoais. Os fundamentos da moral haviam sido destruídos.

A. Os homens de autoridade venderam a justiça, e sem nenhuma vergonha. Eles estavam abertos ao suborno.

1. O príncipe pede recompensa
2. O juiz aceita suborno
3. Os nobres falam abertamente de seus desejos de maldade

B- Aqueles que professavam ser religiosos; a Bíblia diz: "O melhor deles é como um espinheiro" que infectava tudo o que tocava.

Os profetas e sacerdotes estavam corrompidos, eram néscios, egoístas, imorais, ambiciosos e a natureza de suas mensagens era determinada pela quantia que recebiam.

Além disso, a adivinhação, bruxaria, superstição e idolatria prevaleciam.

C. Nos círculos sociais a fé Também não era encontrada.

b. O amigo não era confiável
5 Não creiais no amigo, nem confieis no companheiro. Guarda a porta de tua boca àquela que reclina sobre o teu peito.

c. As famílias estavam em guerra.
6 Porque o filho despreza o pai, a filha se levanta contra a mãe, a nora, contra a sogra; os inimigos do homem são os da sua própria casa.

Esta é uma descrição dos últimos dias semelhante ao que Paulo escreveu a Timóteo.
 
Se você ler 2 Timóteo 3:1-4 verá que esses versículos descrevem o tempo em que estamos vivendo agora.

1 Sabe, porém, isto: nos últimos dias, sobrevirão tempos difíceis,
2 pois os homens serão egoístas, avarentos, jactanciosos, arrogantes, blasfemadores, desobedientes aos pais, ingratos, irreverentes,
3 desafeiçoados, implacáveis, caluniadores, sem domínio de si, cruéis, inimigos do bem,
4 traidores, atrevidos, enfatuados, mais amigos dos prazeres que amigos de Deus,

Leia o jornal ou assista ao noticiário da noite. Você verá que políticos que têm dinheiro suficiente, ou conhece as pessoas certas nos lugares certos e que parecem se livrar de qualquer coisa.

Nós nos perguntamos, onde está a justiça para ser encontrada?
 
Você pode ter certeza que as ações e as vidas desses homens são vistas pelo próprio Deus. Chegará o dia da visitação.

“A falsa testemunha não ficará impune; e o que profere mentiras perecerá.” Provérbios 19:9
 
Quando chegou o momento que Miqueias não conseguia encontrar ajuda no seu companheiro, ou em sua própria família a sua fé se voltou para Deus.
 
Três atitudes que levaram a fé de Miquéias se fortalecer em tempos difíceis.

1. Miqueias disse, "Eu, porém olharei para o Senhor" v. 7a
Este texto nos mostra que Miqueias tem um profundo relacionamento com Deus.

Em uma nação que estava voltada para si, para seu prazer, para o seu próprio umbigo, nem pensando em buscar a direção de Deus, em ter um foco definido, Miquéias faz diferente e tem um foco, ele decide manter-se focado em Deus! Esse é o significado de olhar para o Senhor!!!

Lembro-me aqui de outro fato bíblico, registrado em Números 13.

Dez, dos doze espias enviados por Moisés à terra prometida voltaram com um relatório completamente fracassado, dizendo que as cidades eram fortificadas demais, que eles eram como gafanhotos, que haviam gigantes lá… estes homens perderam o foco. Ao invés de olharem para Deus, olharam para os gigantes, olharam para as fortificações. O resultado nós já conhecemos.

Quando mantemos o foco em Deus, nós tiramos os olhos das nossas vontades e passamos a viver pela vontade de Deus.

- Tiramos os olhos do nosso eu, do nosso querer, das nossas fraquezas e passamos a depender mais de Deus, passamos a querer o que Ele quer para nós, a lutar pela força dele.

- Não oramos para mudar a vontade de Deus, mas para que Deus nos mova em direção à sua vontade.

Que os nossos olhos, em todo o tempo, permaneçam olhando para Jesus, “o autor e consumador da fé” (Hebreus 12:2)

Precisamos ser o remanescente fiel que olha firmemente para o Senhor.


2. Miquéias disse: " e esperarei no Deus da minha salvação " v. 7b
Ele fixa seu olhar de esperança no Soberano Pai.

Esperar! Essa é uma palavra conhecida e vivenciada diariamente por todos nós, em um tempo em que a espera significa atraso, perda de tempo..

Mas esperar no sentido empregado pelo profeta deriva da palavra esperança e nos remete ao verbo esperançar.

Esperar no Senhor é o segredo de todo aquele que quer agir segundo o coração de Deus. Precisamos descansar e aprender a depender do Senhor. Precisamos compreender quando é o momento de agir, de esperar pelo Senhor e deixá-lo falar, convencer e transformar as vidas.

Ter esperança é crer que no momento apropriado que Deus sabe qual é, o mal será vencido e transformado em bem. Ter esperança é confiar no Deus que concretiza o esperado. A esperança dá coragem para continuar a lutar e a enfrentar os problemas da vida.

Há um ditado muito comum que diz que “a esperança é a última que morre”. Não é assim na vida cristã. A nossa esperança, a verdadeira esperança, esperança que não se desespera mesmo em meio a crise, esta esperança não morre. Nossa esperança não se baseia numa possibilidade, mas numa certeza. A vida cristã é baseada em certezas, não em possibilidades.

Nossa esperança é a esperança de que, quando estamos com Deus, sempre existe a certeza de um novo dia, seja aqui, na terra, livres das crises, ou do lado de lá, na eternidade, gozando dos privilégios que lá teremos.

"Os que esperam no Senhor renovarão as suas forças"

3. Miquéias disse: " o meu Deus me ouvirá " v. 7c
Miqueias tem uma certeza em seu coração: o seu Deus o ouvirá. Esta é a linguagem da fé e da comunhão com Deus.

A. Quando a minha fé é fraca, "Deus ouve o meu clamor”.
B. Quando as minhas necessidades são grandes, "Deus ouve o meu clamor”.
C. Quando estou sozinho, “Deus ouve o meu clamor”.

O relato de Marcos 4:35-41 nos mostra que Jesus e os discípulos estavam navegando. Jesus começou a dormir, e de repente, sobreveio grande tempestade. Os discípulos ficaram desesperados e quando viram que Jesus dormia se desesperaram mais ainda e acordaram ao Messias dizendo: “Não te importa que pereçamos?”. Imediatamente Jesus desperta e repreende a tempestade, acalmando o tempo. E logo em seguida pergunta aos discípulos: “Por que não tendes fé?”.

O melhor jeito de lidar com as crises é tendo convicção de que, mesmo sabendo que lá fora ruge a tempestade, está tudo bem porque Jesus está junto no barco.
 
Jeremias 33: 3 - "Clama a mim, e eu te responderei, e te mostrarei coisas grandes e ocultas, que não sabes".

CONCLUSÃO:

Olhar, esperar e clamar ao Senhor são atitudes simples, mas que depende de uma autêntica fé! De uma fé que mesmo em tempos difíceis não abandona o barco. “É melhor estamos na tempestade com Cristo, do que na calma do mar que o diabo nos oferece”  


Pr. Gilberto Oliveira Rehder
Igreja Metodista Catalão-GO

sábado, 7 de julho de 2018

O GRANDE DIFERENCIAL DOS DISCÍPULOS DE CRISTO!



TEXTO: 1 CORÍNTIOS 13.1-13
1 Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, serei como o bronze que soa ou como o címbalo que retine.
2 Ainda que eu tenha o dom de profetizar e conheça todos os mistérios e toda a ciência; ainda que eu tenha tamanha fé, a ponto de transportar montes, se não tiver amor, nada serei.
3 E ainda que eu distribua todos os meus bens entre os pobres e ainda que entregue o meu próprio corpo para ser queimado, se não tiver amor, nada disso me aproveitará.
4 O amor é paciente, é benigno; o amor não arde em ciúmes, não se ufana, não se ensoberbece,
5 não se conduz inconvenientemente, não procura os seus interesses, não se exaspera, não se ressente do mal;
6 não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade;
7 tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
8 O amor jamais acaba; mas, havendo profecias, desaparecerão; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, passará;
9 porque, em parte, conhecemos e, em parte, profetizamos.
10 Quando, porém, vier o que é perfeito, então, o que é em parte será aniquilado.
11 Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, pensava como menino; quando cheguei a ser homem, desisti das coisas próprias de menino.
12 Porque, agora, vemos como em espelho, obscuramente; então, veremos face a face. Agora, conheço em parte; então, conhecerei como também sou conhecido.
13 Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três; porém o maior destes é o amor.

INTRODUÇÃO: Eu quero começar a Palavra nesta noite falando de uma frase que li e que tem me levado a refletir profundamente sobre o que vos faz diferentes como Igreja:

“Se formos uma igreja que tem como objetivo principal amar e cuidar de pessoas acreditamos que assim estaremos amando e servindo a Deus”.  

Este deve ser o grande diferencial dos discípulos de Cristo, o amor!

Jesus disse: “Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos: se tiverdes amor uns aos outros”. (João 13.35)

O que nos faz diferentes das pessoas que não conhecem a Cristo, não é a nossa aparência e nem tão pouco os dons que possuímos, mas o amor!

Ainda que esse texto seja conhecido, viver o amor é um verdadeiro desafio para os cristãos. 

A palavra original do texto, ágape tem muito mais um sentido “experimental” do que “sentimental.”

O amor ágape originalmente significa: “dar-se voluntariamente.”

Sentimentos nem sempre nos levam a tomadas de atitudes, mas a obediência sim.

Quais as lições que podemos aprender deste texto?

I- APRENDEMOS QUE O AMOR É MAIS IMPORTANTE DO QUE CONHECIMENTO.
1 Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, serei como o bronze que soa ou como o címbalo que retine.
2 Ainda que eu tenha o dom de profetizar e conheça todos os mistérios e toda a ciência; ainda que eu tenha tamanha fé, a ponto de transportar montes, se não tiver amor, nada serei.

Existe neste texto explicitamente a ideia do conhecimento humano.

“Falar línguas dos homens” e “Conhecer todos os mistérios e toda a ciência” sugere exatamente a relevância do conhecimento.

O conhecimento humano na época do Novo Testamento era praticamente o maior bem que alguém poderia ter.

Daí surgirem movimentos como o gnosticismo que tentou fazer do conhecimento uma espécie de religião.

Paulo deixa claro que o amor supera o conhecimento.

Conhecimento sem amor é apenas informação, apenas razão, apenas cultura individual.

Quantos há assim: conhecem muito, mas não amam.

Podem até conhecer a bíblia. Podem até saber versos bíblicos ou doutrinas, mas não tem o amor que é capaz de transformar o conhecimento em serviço ao próximo e bom relacionamento com a família e as pessoas ao seu redor.

John Piper faz um comentário interessante sobre 1 Cor. 8:1:

Paulo disse: “O saber ensoberbece, mas o amor edifica”. O conhecimento é suscetível ao orgulho porque é o resultado de obter, e não de dar. O conhecimento é uma possessão. É algo que conquistamos. Por isso, nos inclinamos a orgulhar-nos do conhecimento. Por outro lado, o amor é o ato de dar, e não de obter. O amor não é uma aquisição. Ele nos move para fora. Ele compartilha. Ele pensa visando aos interesses dos outros. Edifica a fé de outros, e não o ego daquele que ama”.

II- APRENDEMOS QUE O AMOR É MAIS IMPORTANTE DO QUE A ESPIRITUALIDADE.

2 Ainda que eu tenha o dom de profetizar e conheça todos os mistérios e toda a ciência; ainda que eu tenha tamanha fé, a ponto de transportar montes, se não tiver amor, nada serei.

Paulo cita neste texto dois dons extremamente importantes na espiritualidade dos discípulos: O dom de Profetizar e a Fé para remover montanhas.

Nos dois casos existe um apelo ao exterior. Ao que as pessoas podem ver. As pessoas são atraídas por estes dons.

A fé era o tema religioso mais importante dos judeus. A profecia era uma discussão muito séria na Igreja de Corinto.

Porém, há tanta gente espiritual que não ama. Gente que profetiza e que tem fé, mas que não é capaz de amar e perdoar. Pessoas que agem com ódio e rancor apesar de sentar em um banco de Igreja. São frias e ferem as outras sem pensar. São maliciosas. São maldosas em seu julgamento.

Espiritualidade não substitui amor.


III- APRENDEMOS QUE O AMOR É MAIS IMPORTANTE DO QUE OBRAS.
3 E ainda que eu distribua todos os meus bens entre os pobres e ainda que entregue o meu próprio corpo para ser queimado, se não tiver amor, nada disso me aproveitará.

O texto também fala em “distribuir todos os meus bens entre os pobres” e “entregar o meu próprio corpo para ser queimado.”

Isso é uma iniciativa muito grande. É um sacrifício pessoal elevadíssimo. Poderíamos dizer até que é uma prova de altruísmo.

Na época do novo testamento a caridade era muitíssimo utilizado. Dar esmolas era algo muito bem visto e sofrer por outra pessoa também. Paulo rechaça essa ideia mostrando que apenas a caridade não é o suficiente.

Apenas o gesto não é suficiente: é necessário que haja uma motivação correta para fazer a caridade.

Muitos hoje são capazes de “dar”, mas não movidos pelo amor. Assim é com os espíritas que fazem obras de caridade pensando em termos espirituais de auto-ajuda. Tudo o que damos deve ser por puro amor, sem interesse algum de receber algo em troca.

“Podemos dar sem amar, mas não se pode amar sem dar”. (Amy Carmichael)

O gesto por si nem sempre representa um coração amoroso. Devemos ter motivações nobres, no caso, o amor.

III- APRENDEMOS QUE O AMOR É O CAMINHO PARA A MATURIDADE.

Sabem queridos, existe um tempo em nossas vidas que está tudo certo agirmos como criança, mas precisamos entender que há um tempo em que esta fase de “meninos e meninas” deve passar em nossas vidas.

11 “Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, pensava como menino; quando cheguei a ser homem, desisti das coisas próprias de menino”.

Paulo diz: “Mas logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino”.

Gostei quando ele disse, “mas logo”, ou seja, Paulo entendeu rapidamente que na nova fase, de adulto, não caberia mais alguns comportamentos, e rapidamente acabou com as atitudes de menino.

Neste vamos temos algumas características de meninice espiritual:

1ª O FALAR COMO MENINO.
Conhecemos uma pessoa madura pela maneira como ela se comunica com as pessoas.

Tiago 3:2 diz: “Porque todos tropeçamos em muitas coisas. Se alguém não tropeça em palavra, o tal é perfeito, e poderoso para também refrear todo o corpo.”

Um menino não se preocupa com a sua forma de falar. Todos nós temos que tomar cuidado com o que falamos, pois a vida e a morte estão em nosso falar (veja Prov. 18:21). Que seja então o nosso falar um manancial de benções e não de maldição.

“Maturidade espiritual é quando você aprende a calar, a se afastar, a não se agredir e não agredir.” (Lindalva)

2ª O SENTIR COMO MENINO.
Conhecemos uma pessoa madura pela maneira como ela lida com os seus sentimentos.

Creio que a instabilidade emocional é um sentimento muito presente em crianças. As pessoas com instabilidade emocional se estressam e reagem de forma explosiva e precipitada.

Na psicologia, a instabilidade emocional é uma característica da personalidade, e quem sofre com ela muda constantemente seu estado de ânimo sem causa aparente ou razoável.

O instável não tolera as frustrações, ou seja, se algo não sair como a pessoa quer, ela solta uma série de respostas emocionais e comportamentais muito intensas e extremas, como a raiva, a agressividade, seja consigo mesma ou com os demais…

Fé não é sentimento. É certeza, convicção. Por meio dela, nosso espírito tem acesso a Deus e ao mundo espiritual.

Observemos a firmeza da fé nas palavras do apóstolo: “Sabemos que todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus…” (Rm. 8.28). Paulo não disse: sentimos ou vemos, mas sabemos. É algo claro, concreto e inabalável. Se Deus disse algo, nós sabemos que isso é realidade. Não dependemos de sentir ou ver alguma coisa.

Quando Jó estava mergulhado em sua tribulação, ele disse: “Eu sei que o meu Redentor vive e que por fim se levantará sobre a terra.” (Jó 19.25.) Se Jó fosse depender de seus sentidos e sentimentos, estaria perdido.

3ª O PENSAR COMO CRIANÇA.
Conhecemos uma pessoa madura pela maneira que ela lida com os seus pensamentos.

Uma pessoa imatura é como uma criança que não desenvolveu em sua mente um discernimento ou uma percepção clara do que é certo e errado.

“Irmãos, não sejais meninos no juízo; na malícia, sim, sede crianças; quanto ao juízo, sede homens amadurecidos”. ( 1 Co. 14.20)

NVI “Irmãos, deixem de pensar como crianças. Com respeito ao mal, sejam crianças; mas, quanto ao modo de pensar, sejam adultos.” 1 Cor. 14:20

CONCLUSÃO:

12 Porque, agora, vemos como em espelho, obscuramente; então, veremos face a face. Agora, conheço em parte; então, conhecerei como também sou conhecido.
13 Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três; porém o maior destes é o amor.

Corinto era conhecido pelos seus espelhos produzidos com metal polido. Ainda que fossem capazes de refletir a imagem de quem olhava para eles, o que viam não era a expressão exata da realidade.

Nesse tempo, enquanto aguardamos o retorno de Cristo, tudo o que vivemos, sabemos ou sentimos é parcial.

O conhecimento pleno se dará quando o Salvador voltar. Contudo, o crescimento no amor tornará nossa compreensão cada vez maior, até que chegue o tempo, no reino de glória que o Senhor trará, em que conheceremos na mesma proporção em que somos conhecidos.  

13 Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três; porém o maior destes é o amor.


Pr. Gilberto Oliveira Rehder
Igreja Metodista Catalão-GO