quarta-feira, 11 de julho de 2012

FORÇA NA FRAQUEZA?


“E que mais direi? Faltar-me-ia o tempo contando de Gideão, e de Baraque, e de Sansão, e de Jefté, e de Davi, e de Samuel, e dos profetas, os quais, pela fé, venceram reinos, praticaram a justiça, alcançaram promessas, fecharam as bocas dos leões, apagaram a força do fogo, escaparam do fio da espada, da fraqueza tiraram forças” (Hb 11.32,34)

O texto acima faz parte da galeria dos heróis da fé no livro de Hebreus capítulo 11. Mas o que me saltou aos olhos neste texto foi a frase: "da fraqueza tiraram forças". Fraqueza, limitação e impotência são sentimentos que nos invadem a alma em muitos momentos de nossa vida. Confesso que gostaria que a vida, o ministério e outros desafios fossem mais fáceis, mas não são. Quando isso ocorre, procuro Deus, choro, confesso, peço ajuda. Nem sempre me sinto forte fazendo isso, mais me sinto amparado e apoiado pela graça de Deus.
Aprendi que sentir-se fraco pode ter o seu lado positivo e proveitoso. Este sentimento tem o poder de eliminar o olhar altivo e a soberba que já derrubaram muitos notáveis no meio cristão evangélico. Sentir-se fraco pode nos levar a confiar e a depender mais de Deus. O Salmo 28:7 diz 'O Senhor é a minha força e o meu escudo; nele o meu coração confia, nele fui socorrido; por isso, o meu coração exulta, e com o meu cântico o louvarei'.
Se homens do passado souberam tirar força da fraqueza, creio que essa possibilidade está a nossa disposição nos dias de hoje. Para ilustrar esta verdade li uma história de um garoto de 10 anos de idade que decidiu praticar judô, apesar de ter perdido seu braço esquerdo em um terrível acidente de carro.
Disposto a enfrentar suas limitações, começou as lições com um velho mestre japonês. O menino ia muito bem. Mas, sem entender o porquê, após três meses de treinamento, o mestre tinha-lhe ensinado somente um movimento. O garoto então disse: - Mestre, não devo aprender mais movimentos?
O mestre respondeu ao menino: - Este é o único movimento que você precisará saber.
Meses mais tarde, o mestre inscreveu o menino em seu primeiro torneio.  Surpreendendo-se, o menino ganhou facilmente todos os combates, ficando classificado para a final do campeonato.Preocupado com a possibilidade do garoto se machucar, cogitaram em cancelar a luta, quando o mestre interveio: - De forma alguma! Deixe-o continuar.
Desta forma, o garoto, usando os ensinamentos do mestre, entrou pra luta e, quando teve oportunidade, usou o único movimento que aprendera para prender o adversário. Foi assim que o menino ganhou a luta e o torneio. Era o campeão.
Mais tarde, em casa, o menino perguntou ao mestre.
- Mestre, como eu consegui ganhar o torneio só com um movimento?
- Você ganhou por duas razões - respondeu o mestre. - Em primeiro lugar, você dominou um dos golpes mais difíceis do judô. E em segundo lugar, a única defesa conhecida para esse movimento é o seu oponente agarrar seu braço esquerdo (você não tem esse braço).
A maior fraqueza do menino tinha-se transformado em sua maior força... Assim, também nós podemos usar nossa fraqueza para que ela se transforme em nossa força.. Da fraqueza tiraram forças. Porque o Senhor Deus é a nossa força!
Pr. Gilberto Oliveira Rehder

2 comentários:

  1. Gostei pastor!
    Infelizmente enfatizamos muitos mais as vitórias dos homens notáveis da Bíblia do que suas lutas e nos esquecemos de que ninguém é vitorioso sem que primeiro lute.
    Um forte abraço amado pastor,
    pr. Eliazer – um dos seus muitos filhos na fé.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que alegria pr Eliazer em saber que compartilhamos da mesma visão ministerial. Você é fruto dos sonhos de Deus!
      Amamos você e sua família!
      Em Cristo e Por Cristo!

      Pr. Gilberto

      Excluir