sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

CONGREGAR É PRECISO 2ª PARTE


TEXTO BASE: “Não abandonemos, como alguns estão fazendo, o costume de assistir às nossas reuniões. Pelo contrário, animemos uns aos outros e ainda mais agora que vocês vêem que o dia está chegando”. Hb 10:25.    

INTRODUÇÃO: No estudo anterior aprendemos sobre a importância de congregarmos. Apesar de todos os motivos bíblicos apresentados, muitos deixam de congregar. Outros chegam a até mesmo ter certa aversão à igreja. Por isso quero apresentar neste estudo algumas razões pelas quais as pessoas saem de suas igrejas:

1- FALSA EXPERIÊNCIA DE CONVERSÃO.
“Eles saíram de nosso meio; entretanto, não eram dos nossos; porque, se tivessem sido dos nossos, teriam permanecido conosco; todavia, eles se foram para que ficasse manifesto que nenhum deles é dos nossos”. 1 João 2.19  
A verdadeira conversão, passa pela experiência evidente do novo nascimento que é vindo de Deus, porém inclui nossa responsabilidade em nos arrepender e crer para a salvação, assumindo uma posição em Cristo, de viver uma nova vida em obediência e submissão a Ele. Sem isso, não há conversão verdadeira (João 3:4,5; Atos 3:19)
Quantos há que estão em nosso meio, mas não são de fato convertidos; são convencidos de que é bom ser evangélico ou são amigos do evangelho. Estes são os cristãos nominais que não se comprometem com o evangelho da cruz e com o discipulado. Não podemos julgar quem é convertido e quem não é, no entanto devemos saber que nem todos os que estão em nossas reuniões são crentes verdadeiros. Jesus alertou sobre isso (Veja: Mateus 13:25-30).

2- DECEPÇÃO COM IRMÃOS.
"Por que, pois, se queixa o homem vivente? Queixe-se cada um dos seus próprios pecados". Lamentações 3.39. 
“Irmãos, não vos queixeis uns dos outros, para não serdes julgados. Eis que o juiz está às portas”. Tiago 5:9.  
Ao fazemos parte de uma determinada igreja, temos uma forte tendência em mantermos uma falsa expectativa a respeito de todos os que ali congregam.  Achamos que por estarem na igreja devem ser as pessoas mais perfeitas e amorosas que existem.  Devemos estar cientes de que estamos convivendo com pessoas, que, como nós, são falhas e limitadas. O próprio Senhor desfaz a nossa ilusão de uma igreja perfeita. (Veja: Marcos 2.16,17) Philip Yancey em seu Livro: Igreja por que me importar? diz algo interessante sobre o assunto: “Muitos saíram da igreja por não suportarem a hipocrisia de alguns, esses são aqueles que se tornaram juiz quando deveriam ter se mantido adorador e testemunha de Jesus, esqueceram que “Deus é o juiz da hipocrisia dentro da igreja.”  (Veja Tiago 4:11; Col. 3:13)

3- DESVIO DOUTRINÁRIO.
“Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios.” 1 Timóteo 4.1  
Todo cristão verdadeiro deve ter como objetivo principal de sua vida cristã, conhecer a Palavra de Deus profundamente para não ser levado por todo vento de doutrinas (Efésios 4:14). Por exemplo: Em minha caminhada pastoral já vi “crentes” estudando a “bíblia” com as Testemunhas de Jeová e serem levados por suas doutrinas heréticas porque não conheciam bem as Escrituras (Mateus 22:29). Outro alerta: o desvio doutrinário não é encontrado apenas nas igrejas pseudo-cristãs; ele ocorre também no meio das igrejas evangélicas da atualidade, como por exemplo, a Teologia da Prosperidade e outros modismos que tem gerado confusão e divisão no meio da igreja.

4- DESVIO MORAL.
“E muitos seguirão as suas práticas libertinas, e, por causa deles, será infamado o caminho da verdade.” 2 Pedro 2.2
Se estudarmos o Novo Testamento minuciosamente vamos perceber que a igreja sempre sofreu com a imoralidade em seu meio (veja 1 Cor. 5:5:1; 10:8). A igreja de Corinto estava sendo influenciada pelo meio em que vivia em vez de influenciá-lo. O apóstolo Paulo aqui exorta os irmãos a prosseguirem em santidade. Ainda que vivamos em uma sociedade onde o pecado sexual é comum e aceitável, nós devemos nos basear nos mandamentos do Senhor Jesus, na vontade de Deus para nossas vidas, que é a nossa santificação (ver 1 Tss 4.3; 1 João 2:15). Que nos abstenhamos da prostituição.
Conheço várias pessoas que não resistindo as tentações nesta área de suas vidas se afastaram da igreja. Na verdade, o pecado não confessado e abandonado tem levado muitos à queda. “O pecado é como o câncer: destrói pouco a pouco. Lentamente, sem que nos apercebamos de sua insidiosa presença, ele vai-se alastrando, até que por fim o diagnóstico final é pronunciado: “Doente, à morte.” (Billy Graham)

5- ESCÂNDALOS.
Disse Jesus a seus discípulos: É inevitável que venham escândalos, mas ai do homem pelo qual eles vêm!” Lucas 17:1
Escândalo no dicionário português é definido como mau procedimento; mau exemplo; ato reprovável. Escandalizar é melindrar; ofender; agir de forma indecorosa e vergonhosa. A palavra escândalo é de origem grega (skándalon). É a armadilha que se põe no caminho do inimigo para fazê-lo cair. É aquilo que dá o que falar, que causa indignação por ser contrário à moral, à honestidade, aos bons costumes, à justiça, às leis etc. No sentido espiritual e moral, é todo o obstáculo que, com sua conduta, uma pessoa pode representar para a vida ou a moralidade de outras pessoas.
Em algumas traduções da Bíblia, a palavra escândalo está expressa por tropeço, querendo significar tudo o que leva o homem à queda: o mau exemplo, princípios falsos, abuso do poder etc. A palavra grega próskomma também é traduzida por tropeço. O cristão precisa estar vigiando seus passos para não causar o tropeço de alguém (1 Co 10.32-34; Rm 14.13; 2Co 6.3; Fp 1.10). Deve, portanto, evitar o pecado e buscar viver de forma santa. Satanás sabe que ao influenciar um escândalo de um líder evangélico Cristão, ele pode ter um impacto muito negativo na igreja e sociedade. Muitos Cristãos enfraqueceram sua fé, como resultado de ver o seu líder cair. Satanás e seus demônios sabem disso, e por isso dirigem seus ataques contra aqueles que exercem liderança. A Bíblia adverte a nós todos: “Sede sóbrios e vigilantes. O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar” (1 Pedro 5:8).

6- LEGALISMO.
“Negligenciando o mandamento de Deus, guardais a tradição dos homens”. Marcos 7.8.  
Malcon Smith definiu legalismo como um caldo mortífero. Quem dele se nutre adoece e morre. O legalismo é uma ameaça à igreja, pois dá mais valor à forma do que a essência, mais importância à tradição do que a verdade, valoriza mais os ritos religiosos do que o amor.(Veja Colos. 2:20-23).Não é difícil encontrar pessoas que saíram ou foram excluídas de suas igrejas por causa do legalismo de seus líderes. Na ânsia de limpar o pecado, jogaram fora o "pecador" junto com a água suja.
Vejo gente sofrendo, afastada da igreja por causa de coisas pequenas, como ter cortado o cabelo, ter deixado a barba crescer, por namorar um (a) crente de outra denominação cristã, por não dar o dízimo e etc...
Há denominações, por exemplo, que pregam que quem pratica adultério jamais será perdoado. Ora, com um decreto como esse na cabeça, o pecador desiste de qualquer tentativa de reconciliação com o Deus irado que lhe foi pintado e se transforma em um monstro na terra. Ele passa então a praticar os mais baixos pecados, porque pensa que se já está condenado ao inferno por toda a eternidade, resta aproveitar seus dias na terra.
Segundo o Pr. Sinfrônio Jardim, mais da metade dos que se desviaram tem problemas sérios com o ressentimento e falta de perdão. Não voltam porque não conseguem perdoar, ou não querem perdoar ou acham que não merecem perdão.

CONCLUSÃO: É impossível amar a Deus e não amar a Igreja, que é sua extensão. Problemas já existiam nos tempos de Jesus, na igreja primitiva e continuarão existindo até a volta de Cristo. Ovelhas rebeldes, cristãos imaturos e crentes carnais sempre fizeram parte do lado espinhoso da convivência com pessoas dentro da igreja.
Pastores charlatões e lobos em pele de ovelhas sempre brotarão nos solos evangélicos, seja nos grandes templos, nos pequenos templos, ou nas reuniões de oração dos “crentes-sem-igreja”. Onde houver ovelha, haverá bode. Onde houver árvore, haverá erva daninha. Onde houver trigo, haverá joio. Por quê? Porque onde houver gente, haverá problema! Mas mesmo com todas as dificuldades, sujeiras e limitações, estar com os irmãos em Cristo é a melhor escolha para o cristão.
 

 Pr. Gilberto Oliveira Rehder.

Nenhum comentário:

Postar um comentário