segunda-feira, 25 de julho de 2016

QUANDO O QUEBRANTAMENTO NÃO É BENÇÃO?


"O homem que muitas vezes repreendido endurece a cerviz será quebrantado de repente sem que haja cura". Provérbios 29.1



INTRODUÇÃO: No domingo passado, o Senhor nos conduziu em uma Palavra sobre quebrantamento. Apendemos que o nosso orgulho é o maior impedimento ao agir de Deus em nossa vida e que o quebrantamento ocorre em nós em três situações:

1. No rompimento da nossa vontade pessoal e total rendição à vontade de Deus.

2. Quando abrimos mão da nossa autoconfiança e da independência de Deus.

3. Quando o solo do nosso coração é amolecido para que a Palavra de Deus penetre e lance raízes.

Aprendemos também que embora o quebrantamento não seja uma experiência agradável, porque é uma experiência que envolve sofrimento, ele traz várias bênçãos sobre a nossa vida.

1- A BÊNÇÃO DA SANTIFICAÇÃO- Em Hebreus 12:10  nos mostra que como filhos nós somos corrigidos por Deus a fim de sermos participantes de sua santidade!

2- A BÊNÇÃO DA DEPENDÊNCIA DE DEUS- Em João 15:14,15 nos mostra que devemos permanecer em Cristo e sua Palavra e que sem Jesus nada podemos fazer!

3- A BÊNÇÃO DA SENSIBILIDADE ESPIRITUAL- Em Ezequiel 11:19 nos mostra que Deus quer tirar o nosso coração de pedra (insensível) à sua voz e nos dar um novo coração- um coração de carne.

Hoje eu quero falar com a Igreja sobre uma situação onde para a nossa surpresa, o quebrantamento não é bênção.

"O homem que muitas vezes repreendido endurece a cerviz será quebrantado de repente sem que haja cura". Provérbios 29.1


Existem duas situações específicas onde o quebrantamento não é bênção:

 o quebrantamento não é bênção
1- QUANDO REJEITAMOS A DISCIPLINA DO SENHOR
“Filho meu, não rejeites a disciplina do SENHOR, nem te enfades da sua repreensão. Porque o SENHOR repreende a quem ama, assim como o pai, ao filho a quem quer bem” (Provérbios 3:11-12).

Muitas vezes o Senhor nos repreende! Somos repreendidos por Ele:

·         Quando tomamos decisões erradas,
·         Quando desejamos aquilo que é pecado,
·         Quando nos comportamos de uma forma que não agrada a Deus.

A questão mais importante é: O que fazemos quando somos repreendidos (ou disciplinados) pelo Senhor?

R: Aceitamos a correção e nos submetemos ao Senhor ou endureceremos a nossa cerviz?

As palavras “Dura Cerviz” no Hebraico compõem apenas uma única  palavra que significa literalmente “Obstinado” ou “Teimoso”.

Quando Deus chamou seu povo de Dura Cerviz, ele estava a dizer que era um povo duro, resistente, que não se deixa dissuadir, irredutíveis, rebeldes, que não permitia que Deus os tira-se da posição de escravos e os coloca-se na posição de livres e de filhos de Deus!

ENTENDA UMA COISA AMADOS! A partir do momento que nos tornamos filhos de Deus pela fé em Cristo (o Senhor não nos deixará viver como bastardos)

Hebreus 12:8 “Mas, se estais sem disciplina, da qual todos são feitos participantes, sois então bastardos, e não filhos”.

Segundo o dicionário da língua portuguesa, “bastardo” é o nome designado a um filho gerado fora do matrimônio, degenerado da espécie (família) a que pertence.

Então amados, se somos filhos de Deus e não bastardos (Deus como o nosso Pai) não ficará de braços cruzados nos vendo a afundar na lama do pecado. Então, Deus corrige e nos disciplina, para que possamos voltar ao caminho certo.

O autor de Hebreus nos lembra do amor do Pai é que leva à correção. “porque o Senhor corrige a quem ama e açoita a todo filho a quem recebe” (Hebreus 12:6).

Se somos filhos de Deus e rejeitamos a sua repreensão e disciplina acabamos endurecendo progressivamente a nossa cerviz; e o quebrantamento a que somos submetidos não gerará cura em nós!

"O homem que muitas vezes repreendido endurece a cerviz será quebrantado de repente sem que haja cura". Provérbios 29.1

o quebrantamento não é bênção
2- QUANDO O ARREPENDIMENTO NÃO É COMPLETO.
Você sabia que a primeira mensagem de Jesus foi o arrependimento?

 “Desde então começou Jesus a pregar, e a dizer: Arrependei-vos, porque é chegado o reino dos céus”. Mateus 4:17

E que a última mensagem que Jesus enviou a Igreja (Igreja de Laodicéia) também fala do arrependimento?

“Eu repreendo e castigo a todos quanto amo; sê, pois, zeloso e arrepende-te.” Apocalipses 3:19

No caso da Igreja em Laodiéia eles deveriam se arrepender de sua mornidão espiritual.

“Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca. Como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu.” Apocalipse 3:16,17

E a mornidão espiritual está relacionada com a soberba, a prepotência na vida do crente! É quando ele diz: “e estou enriquecido, e de nada tenho falta”.

Mas Jesus diz: “não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu.”

Assim como no caso da disciplina do Senhor que ocorre várias vezes em nossa vida o arrependimento também deve ocorrer várias vezes em nossas vidas!

Você só aceita a Jesus uma só vez, mas você se arrepende várias vezes!!

Há crentes que pensam que não precisam se arrepender mais de seus pecados só porque um dia levantaram a mão na igreja e disseram que aceitaram Jesus.

Mas o arrependimento é tanto inicial a nossa conversão quanto contínuo em nossa vida cristã.

Ao entregarmos a nossa vida a Cristo, não deixamos de pecar; não nos tornamos anjos. Lutaremos contra o pecado todos os dias de nossa existência e haverá momentos em que cairemos.

“Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós. Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça. Se dissermos que não pecamos, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós”. 1 João 1:8-10


Alguém perguntou a William Booth sobre quais seriam os maiores perigos doutrinários do século XX, ele respondeu de pronto: “Religião sem Espírito Santo, cristianismo sem Cristo, perdão sem arrependimento, salvação sem novo nascimento, política sem Deus e céu sem inferno”. 

O teólogo inglês Brian Edwards afirma: "O perdão de Deus, assim como seu amor e sua graça, é imerecido, ilimitado e infinito, mas não é incondicional. Sempre que oferece perdão, Deus o faz sob a condição de arrependimento".

Existe na bíblia alguns sinas de que alguém se arrependeu de verdade:

A procura pelo Batismo- (Atos 2:37,38) “E, ouvindo eles isto, compungiram-se em seu coração, e perguntaram a Pedro e aos demais apóstolos: Que faremos, homens irmãos? E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo.” Atos 2:37,38
(Atos 2:41) “De sorte que foram batizados os que de bom grado receberam a sua palavra; e naquele dia agregaram-se quase três mil almas”

A produção de frutos do arrependimento- (Lucas 3:8) “Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento, e não comeceis a dizer em vós mesmos: Temos Abraão por pai; porque eu vos digo que até destas pedras pode Deus suscitar filhos a Abraão”.
O que são estes frutos?Se você continuar lendo este mesmo texto você verá que estes frutos são mudanças concretas. Eles incluíam: o repartir as túnicas e os alimentos, não cobrar impostos injustos, não explorar o próximo, não roubar ou maltratar alguém. Por outro lado, praticar o amor e o serviço de Deus e ao próximo, andando a segunda milha, amando até aos inimigos e mostrando verdadeira transformação em sua conduta.

A restituição de quem você prejudicou- (Lucas 19:1-9) A História de Zaqueu.
Sabemos que Zaqueu acumulou muitos bens por toda a sua vida - ele era rico -, bens adquiridos das mais diversas formas - legais e ilegais. É muito provável que ele praticasse extorsão em suas atividades, pois assim agiam muitos cobradores de impostos.
Zaqueu ao se encontrar com Jesus tomou duas atitudes que estão no verso 8 “E, levantando-se Zaqueu, disse ao Senhor: Senhor, eis que eu dou aos pobres metade dos meus bens; e, se nalguma coisa tenho defraudado alguém, o restituo quadruplicado”.

Na primeira decisão ele resolve que o dinheiro não seria mais o seu deus (ele resolve dar aos pobres a metade de seus bens)

Na segunda decisão ele restitui aqueles que ele prejudicou 4 vezes mais.

Zaqueu aplicou o chamado "princípio da restituição", um princípio amplamente abordado ao longo das Escrituras.

A devolução de quatro vezes o valor defraudado, encontramos descrito na lei que previa esta restituição.

“Se alguém furtar um boi ou ovelha, e o degolar ou vender, por um boi pagará cinco bois, e pela ovelha quatro ovelhas." (Êxodo 22,1)

Aquele que furtou ou defraudou outrem tem a obrigação de devolver o que tomou como parte dos frutos do arrependimento.

Nos tempos de Zaqueu, este princípio era de conhecimento de todos. Havia ensino farto sobre ele e sobre toda a Palavra de Deus, independentemente de agradar os ouvintes ou não.

CONCLUSÃO:

O PROPÓSITO FINAL DO QUEBRANTAMENTO É NOS LEVAR A UMA TRANSFORMAÇÃO. 
Vamos a Cristo como estamos, mas jamais permaneceremos os mesmos de sempre! Somos transformados de glória em glória...
“Num quebrantamento sem cura somos somente quebrados e num quebrantamento com cura somos transformados”

Pr. Gilberto Oliveira Rehder
Igreja metodista Catalão-GO

24/07/2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário