quinta-feira, 10 de agosto de 2017

QUE TIPO DE RELACIONAMENTO VOCÊ TEM COM O PAI?


TEXTO: Mateus 21:28-32.

28 E que vos parece? Um homem tinha dois filhos. Chegando-se ao primeiro, disse: Filho, vai hoje trabalhar na vinha.
29 Ele respondeu: Sim, senhor; porém não foi.
30 Dirigindo-se ao segundo, disse-lhe a mesma coisa. Mas este respondeu: Não quero; depois, arrependido, foi.
31 Qual dos dois fez a vontade do pai? Disseram: O segundo. Declarou-lhes Jesus: Em verdade vos digo que publicanos e meretrizes vos precedem no reino de Deus.
32 Porque João veio a vós outros no caminho da justiça, e não acreditastes nele; ao passo que publicanos e meretrizes creram. Vós, porém, mesmo vendo isto, não vos arrependestes, afinal, para acreditardes nele.

Introdução: É importante ressaltarmos que esta é mais uma das parábolas  de Jesus onde ele compara a Deus na figura de um pai; aliás é sempre bom lembrar que muitos trazem consigo uma visão distorcida de Deus, por isso não possuem um relacionamento próximo e pessoal com Ele.

Se você perguntar por ai: quem é Deus para você? Certamente você ouvirá:

Deus é um ser superior;
Deus é uma força cósmica;
Deus é a natureza (ideia panteísta).

Normalmente as pessoas têm a concepção de um Deus impessoal, distante, longe demais de nós, pobres mortais.

Mas o que eu gostaria de ressaltar neste texto são as atitudes destes filhos que representam claramente as atitudes que humanidade em geral tem para com Deus.

Antes de falarmos sobre o significado desta Parábola, é importante entendermos melhor o que antecede a esta narrativa de Jesus.

Antes dessa parábola, ainda no capítulo 21, alguns eventos importantes são descritos, desde a Entrada Triunfal até a purificação do Templo.

Considerando então esse contexto, podemos notar no versículo 23 os príncipes dos sacerdotes e os anciãos do povo (ou membros do Sinédrio) estavam desafiando a autoridade de Jesus.

Claro que com tudo que havia acontecido anteriormente, principalmente em relação à purificação do Templo, os líderes judeus não estavam nada satisfeitos e foram interrogar a Jesus perguntado com que autoridade Ele tinha feito aquilo.

O objetivo deles era buscar uma maneira de comprometê-lo.

Com muita sabedoria, Jesus disse que também faria uma pergunta e, caso eles respondessem tal pergunta, então Ele também responderia o que lhe fora perguntado.

“O batismo de João, de onde era? Do céu, ou dos homens?” Mateus 21:25

Essa pergunta foi terrível para eles. Eles ficaram sem saída, não podiam responder nem que sim e nem que não.

E pensavam entre si, dizendo: Se dissermos: Do céu, ele nos dirá: Então por que não o crestes?

E, se dissermos: Dos homens, tememos o povo, porque todos consideram João como profeta. Mateus 21:25,26

A resposta que eles encontraram foi a falsidade, uma mentira, para tentar sair da situação difícil que Jesus os havia colocado.

E, respondendo a Jesus, disseram: “Não sabemos. Ele disse-lhes: Nem eu vos digo com que autoridade faço isto”. Mateus 21:27

Jesus, sabiamente, em resposta àquela situação, condenou totalmente aquele comportamento hipócrita contando a Parábola dos Dois Filhos.

O significado da Parábola dos Dois Filhos é bastante claro quando se percebe que os dois filhos e seus comportamentos representam dois grupos de pessoas.

O primeiro filho, que inicialmente disse não ao pai, mas depois se arrependeu e foi trabalhar na vinha, representa os publicanos e as prostitutas, pessoas excluídas e consideradas indignas perante a religiosidade judaica, e que, embora com seu modo de viver inicialmente recusavam os mandamentos de Deus, por fim se arrependiam e passavam a fazer a Sua vontade.

Por outro lado, aqueles religiosos judeus agiam como o segundo filho, aparentemente concordando em seguir a Palavra de Deus, mas no final o resultado real era apenas a desobediência.

No versículo 31, Jesus deixa isso bem claro dizendo que aqueles desprezados pecadores, estavam entrando no Reino de Deus antes dos que insistiam em manter uma imagem à primeira vista irrepreensível, mas fatalmente corrompida.

Estes diziam que obedeciam a Deus, mas não estavam obedecendo, porque esse falso “sim” nada mais era do que o verdadeiro “não”, e o espontâneo “não” dos pecadores rejeitados era o início de um “sim” de arrependimento.

Por isso, a parábola que Jesus contou sobre os dois filhos é bem relevante para nós!   

Ela está registrada unicamente aqui em Mateus.

Com base nessa parábola quero compartilhar com vocês alguns ensinamentos que ela me traz e que ajudam em nossa caminhada como filhos de Deus.

1) NÃO EXISTE RELACIONAMENTO COM O PAI, SEM ARREPENDIMENTO.

Neste texto Jesus nos mostra a grandeza da importância do arrependimento.

O arrependimento é mais importante do que qualquer aparência, do que qualquer intelectualidade, do que qualquer religiosidade e do que qualquer intenção, do que qualquer moralidade.

O arrependimento é o ponto principal do “fazer a vontade de Pai”.
Antes possuíamos apenas a convicção do “não”.

Pense comigo: Quantas vezes você já não disse não a Deus?

Mas, de uma forma inexplicável do ponto de vista humano, você se arrepende e passa agora faz a vontade do Pai.

A conversão da Bruxa da Cracolândia. O fantástico exibiu um dia desses a história desta mulher. Silvia é o seu nome. Com 9 anos foi morar na rua e virou assaltante com 13 anos. Aos 18 anos foi presa e passou 25 anos na prisão. Depois dos 40 anos de idade ela se perdeu nas drogas. E viveu assim por quatorze anos. Depois disso uma jovem veio até ela na rua e a abraçou e com aquele abraço ela passou a ter esperança. E desejo de viver! Aquela mulher se arrependeu de seus pecados, entregou-se a Jesus e foi encaminhada para um tratamento, se recuperando. Ela fez o ensino, básico e médio e agora faz a faculdade de teologia para ajudar outras pessoas na mesma condição!

O arrependimento a fez voltar atrás e dizer sim ao Pai!

O arrependimento verdadeiro é o reflexo da ação do Espírito Santo em nossas vidas, o único que pode nos convencer dos erros do nosso “não”.

PRECISAMOS ENTENDER QUE PARA DEUS A CONDIÇÃO DO HOMEM É DE “APENAS PECADOR”.

Quando Jesus usou como exemplo duas classes de pessoas tão rejeitadas pela sociedade da época (Os publicanos e as meretrizes), e os colocou acima dos mais influentes daquela sociedade, Jesus estava mostrando que não existe nada que possamos fazer para tentarmos impressionar a Deus e que o ser humano independente de qual degradável esteja é importante para Ele.

Aos olhos do Pai, todos são pecadores, desde os mais importantes e moralistas dos homens até os mais rejeitados da sociedade, pois a condição do homem é uma só.

O arrependimento é condição essencial para todos os que querem se tornar em filhos de Deus e entrar em um relacionamento com o Pai.

A boa notícia é que o sangue de Jesus é poderoso para resgatar o pior dentre os homens.

2) NÃO EXISTE RELACIONAMENTO COM O PAI, SEM OBEDIÊNCIA.

Como aquele primeiro filho que disse ao Pai “Sim Senhor”, mas não obedeceu aprendemos que PALAVRAS SÃO APENAS PALAVRAS.

Ninguém surpreende Deus com palavras e não podemos enganá-lo.

Eis que assim declara o Eterno: Visto que este povo se chega junto a mim apenas com palavras sem atitude, e me honra somente com mover dos lábios, enquanto seu coração está muito distante da minha pessoa. E a adoração que me prestam é constituída tão somente de regras e doutrinas criadas por homens.” Isaías 29:13

Muitos acreditam que conseguem manter as aparências diante d’Ele, mas perante Deus todas as máscaras caem. Ele sabe como é o nosso rosto por trás da maquiagem, Ele conhece o nosso coração e julga as nossas intenções.

Podemos enganar as pessoas com palavras bonitas, com louvores incríveis, com orações eloquentes, mas Deus conhece se esse comportamento é sincero ou não.

Precisamos examinar se nossas atitudes refletem o que pregamos, e, por fim, tomarmos cuidado com possíveis distrações, porque às vezes nos comprometemos com algo, mas alguma coisa nos distrai e acabamos nos esquecendo do nosso compromisso.

De qualquer forma, só existem dois filhos, não há um terceiro, ou somos como o primeiro ou inevitavelmente seremos como o segundo.

O filho agrada ao Pai é aquele que obedece! É aquele que faz a vontade do Pai!

“Obedecer é melhor que sacrificar..” 1 Samuel 15:9

Jesus, nosso grande exemplo, foi submisso a seus pais. Ainda que Ele fosse a Divindade em carne, ele seguia o plano de Deus para a família (Lucas 2:51).  

Deus estabeleceu seu plano para nossas famílias porque ele deseja nossa felicidade e sabe que tipo de relações são mais satisfatórias e mais recompensadoras para nós.

É verdade geral que os filhos que obedecem e honram seus pais vivem mais, têm vidas mais felizes e, mais importante, estão agradando a Deus!

3- NÃO EXISTE UM RELACIONAMENTO COM O PAI SEM O TRABALHO.

Os dois filhos tinham o mesmo pai, o mesmo ensino, a mesma criação, o mesmo serviço e o mesmo pedido foi solicitado a ambos!

Os dois filhos respondem ao pai, mas as respostas que dão pai, bem como as suas atitudes foram bem diferentes.

O primeiro filho parece mais rebelde, responde ao pai, nega seu convite, mas com o tempo arrepende-se de sua atitude, e obedece a ordem de seu pai.

Já o segundo filho, tem palavras doces, na frente do pai concorda e trata-lhe com toda reverência, mas depois de sair da sua presença, a atitude é diferente, revelando-lhe a hipocrisia, que concorda com os lábios mas o coração e a atitude mostram o contrário.

Todo filho precisa saber que o Pai tem o direito ao nosso serviço fiel. Ao ensinar o valor do trabalho o Pai na realidade está ensinando a seu filho a importância de assumir responsabilidades!

O trabalho é característica de um filho de Deus!

Deus está chamando cada um de nós aqui para trabalharmos na sua vinha, mas cabe a nós decidir se vamos ou não.

 ‘Mas ele lhes disse: Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também’. João 5:17

O Pai, que “trabalha até agora”, quer que sejamos ativos e produtivos no Seu reino. 

“Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor” (1 Co 15:58)

Há trabalho para todos os filhos na vinha do Senhor! É por isso que ele nos concedeu dons e talentos!  

CONCLUSÃO:

O Pai está chamando por seus filhos!

Há uma grande diferença entre dizer o SIM e praticar o SIM.

O escritor e psicólogo, Paul Tounier em seu livro Culpa e Graça escreveu que nós nos realizamos no discurso. Mas o Reino de Deus precisa de menos discurso e mais prática. As igrejas do Senhor precisam de menos discurso e mais de prática.

Depois de compartilhar tudo isso que eu penso com vocês eu preciso fazer algumas perguntas: Você já respondeu ao chamado do Pai? Que tipo de filho é você?

Você é o filho que diz o sim para o Pai, mas vive o não? Ou você é o filho que diz não ao pai, mas acaba refletindo melhor e vive o sim?

Talvez você esteja preso a alguma situação que você acha que lhe impede de viver o sim. Decida pela pratica do sim.


Pr. Gilberto Oliveira Rehder

Igreja Metodista Catalão-GO

Nenhum comentário:

Postar um comentário